quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Pombais


Ciscando tudo que há para ciscar
Os ratos de asas não vão intimidar
Lixão do mundo com poder alado
Para onde vão as pombas quando anoitece?

Seres urbanos a volta de velhos e crianças
Tão falidos quanto às praças e seus monumentos já de sentido banalizado.
De vida tão duvidosa quanto os outros que por ali andam, atrás de sei lá o que...
Para onde vão as pombas quando anoitece?

Visíveis ao dia, não temem o acaso
Nos bandos se juntam, tem pressa no ato
Cabeça, pequeno bote, voando baixo
Esforço, pouso, pombais.
Para onde vão as pombas quando anoitece?

Bicho comum, não faz por faltar
Pecado de um homem... Gula, preguiça
Pomba da paz, símbolo nobre
Pombo correio, fantasia infantil
Para onde vão as pombas quando anoitece?

Gari, terno e gravata, pomba
Sol, resto, pomba
Rua, pomba, mendigo, silêncio das capitais
Símbolo subjetivo do que já foi, do que é ou tanto faz
Para onde vão as pombas quando anoitece?

9 comentários:

Sonia Martendal disse...

Qto ao estilo... evoluiste hein?!? Mais envolvente, contextualizado e contemporâneo... Só me deu raiva pq, dentro da tal contemporaneização, vc fik o tempo todo perguntando COMO SE EU Q TIVESSE Q SABER pra onde vão os SEUS pombos qdo anoitece!!! Eu sei lá, ué, eles são SEUS!!! Fikei inconformada, afinal vc que devia me contar pra onde eles vão, e não fikr nesse suspense td... portanto, este poema está fadado a uma "PARTE II"... e tenho dito!

Mistura Feita disse...

kkkkkkkkk, Soninha, os pombos são dominio público...huahauhau, mas te prometo que vou procurar uns pombais e te conto! hauhauahuahu

Sonia Martendal disse...

o site 'dominio publico' ja saiu do ar há tempos.... entao se os pombos eram d lá, nunca vais conseguir saber pra onde foram!!!kkkkkk

Mistura Feita disse...

hauahuahauhau

Katiuscia Dantas disse...

Eu realmente fiquei tentando imaginar um lugar onde eles iriam à noite...Que lugar será esse hein? Pequise Glauco e assim como disse a Sonia, escreva a segunda parte respondendo-nos, já que agora a pergunta é de dominio público e a resposta de interesse coletivo... Gostei bastante viu? "Ator poeta"

Walter disse...

Cada um tem os seus pombos, ou vê os pombos em alguma coisa...ou alguma coisa nos pombos hehe. Vou ficar pensando sobre os meus.

Pedro disse...

Quando anoitece os pombos voltam para casa ué.. como nós ... mudam se as formas, a maneira de ser, porém nisso e em algumas outras coisas denunciadas no poema, somos iguais..

Rose disse...

Jovens criativos, não agitem os ombros. Não discutam com os motivos dos pombos. Poema, é poema, já por ser "poema". Sempre será um dilema. Pra onde vai a emoção? A licença poética existe para cada criação. Ainda bem que existem outros poetas pra lhes provarem esta emoção. A sua interpretação, será a resposta para sua imaginação! Basta! Me deu fome! Parabéns Glauco

Dani disse...

Que poema encantador! Quantos sentimentos envolvidos em pequenas e grandes palavras...